Prefeitura Municipal de Caeté

Painel do site
Caeté, 25 de junho de 2017 Atendimento
Você sabia? Instituições do terceiro setor recebem recursos da Prefeitura, através de Subvenção Social
Imprimir Email

Institucional

O Brasão de Armas

por Assessoria de Comunicação

23/02/2017 13:30

O Brasão de Armas

Brasão

 

O Brasão de Armas do Município é de autoria do heraldista Arcinóe Antônio Peixoto de Faria e tem a seguinte interpretação:

 O escudo samnítico, usado para representar o Brasão de Armas de Caeté, foi o primeiro estilo de escudo introduzido em Portugal por influência francesa, herdado da heráldica brasileira como evocativo da raça colonizadora e principal formadora de nossa nacionalidade.
A coroa mural que o sobrepõe é o símbolo universal dos brasões de domínio que, sendo de argente (prata), de oito torres, das quais apenas cinco são visíveis em perspectiva no desenho, classifica a cidade representada na Segunda Grandeza, ou seja, sede de Comarca.
A cor sinopla (verde) do campo do escudo é símbolo de honra, civilidade, cortesia, alegria, abundância; é a cor simbólica da esperança, e a esperança é verde porque lembra os campos verdejantes na primavera, fazendo esperar copiosa colheita.
Em abismo (centro ou coração do escudo) o escudete de jalde (ouro) com cinco merletas de sable (preto) postas em aspas, reproduz as armarias da Família Leme, lembrando no Brasão as figuras de seus fundadores, os irmãos João e Antônio Leme.O metal jalde (ouro) simboliza a glória, grandeza, esplendor, riqueza e soberania. A cor sable (preto) é o símbolo de austeridade, prudência, sabedoria, moderação e ciência.
Em ponta, o triplo mantel de jalde (ouro) representa a Serra da Piedade e a faixa ondeada de blau (azul) o córrego Caeté, que empresta o nome à Cidade. A cor do metal em que é representado o triplo mantel lembra a descoberta de ricas jazidas auríferas da região.
Como decorrência da própria opulência do ouro, Caeté foi palco da luta fratricida entre paulistas, bandeirantes e portugueses, em 1.707, fato marcante na história do Brasil, a conhecida "Guerra dos Emboabas".
Nos ornamentos exteriores do escudo, as figuras impolutas e intrépidas dos audazes bandeirantes, perenizando no Brasão de Caeté, a homenagem àqueles que foram os responsáveis pelo povoamento e desenvolvimento da cidade de hoje.
No listel de goles o vermelho, cor representativa da dedicação, amor-pátrio, audácia, intrepidez, coragem, valentia, inscreve-se em letras argentinas prateadas o topônimo identificador "Caeté" ladeado pelas datas "14-2-1714" da instalação solene da Vila autônoma e "13-11-1891" de sua elevação a Comarca. 

 



Matérias relacionadas

    Final do corpo do documento e conteúdo da página